EXPANDABLE AREA
Use all default WordPress shortcodes or bring the area to life with custom shortcodes.

Products

Latest Posts

    Go to Blog

    Latest Dribbble Shots

    Loading dribbble images...
    Follow us on Dribbble

    Top Rated Products

    ... and much, much, more ...
    BUY BOLDIAL NOW

    8 PASSOS PARA “EXPORTAR” SEU NEGÓCIO

    June 29, 2016 by in category Uncategorized with 0 and 0
    Home > Blog > Uncategorized > 8 PASSOS PARA “EXPORTAR” SEU NEGÓCIO

    OITO_PASSOS_PARA_EXPORTAR_SEU_NEGÓCIO

    Da burocracia ao marketing os segredos para estabelecer uma empresa no exterior

    Abrir horizontes pode ser a melhor estratégia para crescer. Em um momento em que a economia brasileira apresenta sinais de desaceleração, apostar no mercado esterno pode ser uma boa opção. “A Europa passa por uma faze de recuperação, e muitos países estão mais abertos para os investidores”, diz o consultor Igor Tasic, especialista em estratégias de internacionalização. Segundo ele, a iniciativa não está limitada às grandes corporações. Empresas de todos os portes podem se beneficiar: além do crescimento da receita, a tática proporciona aprendizado de gestão, acesso a tendências e aumento da competitividade.

    Antes de fazer as malas, porém é preciso identificar as oportunidades e descobrir se seu produto ou serviço desperta interesse fora do Brasil. Depois, o empreendedor deve avaliar se a empresa tem capacidade de manter uma operação no país de destino – seja uma franquia, uma unidade própria ou uma joint venture com um parceiro estrangeiro. “A internacionalização não é uma aventura, é uma estratégia que exige comprometimento. São muitos os benefícios, mas o dono do negócio precisará de recursos para bancar a expansão e tempo para colher os resultados”, diz Sherban Leonardo Cretoin, coordenador de Negócios Internacionais da Fundação Dom Cabral. Saiba quais são os principais passos par uma internacionalização bem-sucedida.

     

    PASSO

    PESQUISA: QUAIS SÃO AS CHANCES DO SEU PRODUTO

    • Monte seu estande A participação em feiras e missões comerciais é fundamental para verificar in loco as principais tendências em seu segmento de atuação e as novas tecnologias que estão se popularizando no exterior. Esse tipo de evento serve ainda como balão de ensaio, para saber se o produto tem ou não espaço nas prateleiras de outros países. Além disso, é possível fazer contatos, conversar e expor seus artigos para consumidores, distribuidores e fornecedores.
    • Faça a lição de casa Avalie sua real capacidade de ter uma unidade longe da sede. Responda às seguintes perguntas: tenho a organização – e a equipe – necessária para esse “novo” empreendimento? Essa filial no exterior exigirá presença constante dos sócios brasileiros? Tenho capacidade de produzir para atender a novos mercados sem prejuízos às minhas operações no Brasil?

     

    PASSO

    PREPARAÇÃO: ESTUDE AS CONDIÇÕES DO PAÍS DE DESTINO

    • Mergulhe em outra realidade Estude em profundidade o país onde pretende se instalar: situação política e econômica, hábitos dos consumidores, diferenças culturais. “Aspectos sociais, religiosos, demográficos, alfandegários, sanitários e legais devem ser levados em conta pelo empreendedor”, diz Luiz Barretto, presidente do Sebrae.
    • Realize estudos de mercado Identifique as oportunidades do seu segmento no país escolhido. São distribuídas em todo o território ou em bolsões específicos? Os consumidores estão dispostos a trocar suas marcas prediletas por um concorrente estrangeiro desconhecido?
    • Busque ajuda externa Montar um plano de negócios e um pesquisa para o consumidor requer ajuda de organismo de apoio específicos, como consultorias, escritórios de advocacia, associações de classe e câmaras de comércio, no Brasil e no exterior.

     

    PASSO

    BUROCRACIA: ENTENDA AS REGRAS

    • Tenha em mãos os documentos Seja na China ou nos Estados Unidos, o processo para quem deseja se estabelecer em outro país segue a mesma regra geral, com variações pontuais. Os ministérios ou órgãos responsáveis pelas relações exteriores costumam pedir um plano de negócios com análises sobre o que a empresa projeta para os próximos anos e provas de que o empreendedor tem os recursos para o requerimento de um visto – que pode ser de investidor, residente ou uma combinação de ambos.
    • Fique de olho nas diferenças Em Cingapura, é possível abrir um empreendimento em três dias úteis. Na República Centro-Africana, são necessário 22. O banco Mundial atualiza anualmente o índice Doing Business, que mostra em quais países é mais fácil estabelecer uma empresa (veja quadro abaixo). Em 2013, Cingapura encabeça o ranking, seguida de Hong Kong e da própria Nova Zelândia. O Brasil está na 130º posição.

     

    Escolha seu Destino

    Quem pretende levar seu negócio para o exterior deve consultar o índice Doing Business 2013. Elaborado pelo Banco Mundial, lista os países onde é mais fácil empreender, levando em consideração um média ponderada de dez itens

     

    ONDE É MAIS FÁCIL                                                                   ONDE É MAIS DIFÍCIL

    Cingapura                                                                                     República Centro-Africana

    Hong Kong                                                                                    Chade

    Nova Zelândia                                                                             Congo

    Estados Unidos                                                                            Eritreia

    Dinamarca                                                                                    Republica Democrática do Congo

     

    PASSO

    INVESTIMENTO: FAÇA AS CONTAS

    • Calcule os custos fixos Na planilha devem constar as despesas com o aluguel do imóvel ou a montagem de uma fábrica, custo operacionais mensais, gastos com funcionários, fornecedores e distribuidores. Também é importante calcular os impostos gastos com a importação de suas mercadorias a partir do Brasil e a carga tributária total sobre a operação.
    • Não deixe nenhuma despesa de fora São muitos os custos variáveis: coloque na conta uma consultoria para auxiliar na montagem do plano de negócios e um escritório de advocacia responsável por fecha acordos com sócios locais – que podem envolver a compra da empresa estrangeira pela brasileira ou a formação de uma joint venture. Também haverá gastos com marketing, publicidade e obtenção de licenças especificas.

     

    PASSO

    FORMATO: PARCERIA, FRANQUIA OU FILIAL?

    • Encontre um parceiro “É muito mais custoso para uma companhia brasileira chegar lá fora sem a ajuda de um mercado profissional local”, dia Igor Tasic. Com um conhecimento de mercado mais aprofundado, esses parceiro facilitará o acesso a investidores, bancos e entidades de fomento.
    • Monte uma filial Internacionalizar sem a ajuda de uma parceiro requer mais recursos. “Outro problema é que o dono da empresa tende a dar pouca autonomia aos gestores locais, o que diminui a agilidade na resposta”, diz Sherban Leonardo Cretoin, da Fundação Dom Cabral.
    • Adote modelo de franquia Uma opção para diluir eventuais riscos é aderir ao sistema de franchising. É preciso encontrar um master franqueado de confiança. Segundo a ABF (Associação Brasileira de Franchising), 112 redes brasileira já contam com unidades no exterior.

     

    PASSO

    ESTRATÉGIA: MIRE O PUBLICO-ALVO

    • Adapte seu negócio O desafio é o mesmo para empresas já consolidadas no Brasil ou para startups que vislumbraram oportunidades no exterior: é preciso começar do zero e construir a sua marca lá fora. Estude os hábitos locais e entenda como sua empresa se encaixa (ou não) nos padrões culturais daquele novo consumidor. Depois faça as adaptações necessárias nos processos e no produto ou serviço oferecido.
    • Promova seu produto É preciso definir uma tática detalhada para entrar nesse novo mercado, especificando em detalhes como atingir seu público-alvo e quais ações promocionais serão feitas para divulgar sua empresa nos diferentes canais de vendas.

     

    PASSO

    LOGÍSTICA: CONTROLE ESTOQUE E A OFERTA

    • Analise caso a caso Exportar para índia é diferente de vender para a Alemanha: cada país tem uma complexidade logística própria. É importante entender essas regras para controlar de maneira eficiente o estoque e a oferta. Uma boa ideia é contar com parceiros logísticos locais, que podem auxiliar no desembaraço das mercadorias em portos e aeroportos, colaborar na montagem, embalagem ou etiquetagem dos artigos e coordenar a distribuição nos pontos de venda.
    • Siga as regulamentação Verifique se o seu produto atende a todas as especificações do setor e do governo nos rótulos e embalagens. Cheque ainda a necessidade de certificações de diversas naturezas (técnicas, ambientais, selos de qualidade etc).

     

    8º PASSO

    RESULTADOS: O QUE ESPERAR E COMO MEDIR

    • Pense a longo prazo “No exterior, a curva de aprendizagem é maior, porque os ambientes são muito diferentes”, diz Cretoin, da Fundação Dom Cabral. Trata-se de outra cultura, outro idioma, outros padrões de negócios. Por mais que o empreendedor esteja bem preparado, terá de esperar um pouco mais pelos resultados. “Isso implica ter fôlego financeiro para segurar o investimento no longo prazo”.
    • Avalie todos os benefícios Os resultados vão muito além do campo econômico: com a internacionalização, a empresa tem acesso a novas tecnologias, diminuem os ricos de estar localizada em apenas um mercado e aumenta a competividade diante dos concorrentes estrangeiros no país. Tudo isso deve estar na conta.

     

    Os oitos erros mais comuns

    As atitudes que atrapalham o processo de internacionalização

    1. Acreditar que o sucesso da empresa no Brasil é suficiente para atrair o mercado internacional
    2. Estabelecer uma unidade no exterior, para só depois estudar o cenário daquele país
    3. Basear suas decisões apenas em conversas informais com importadores e distribuidores, ignorando os outros players
    4. Definir uma estratégia, mas não fazem um planejamento detalhado para executá-la
    5. Avaliar que um bom contato com o governo local será o bastante para garantir o sucesso do negócio lá fora
    6. Começar pelos países vizinhos, sem levar em contato o tamanho do mercado, para só depois alcançar regiões distantes, mas mais promissoras
    7. Não investir na internacionalização e fica na dependência dos recursos do parceiro local
    8. Esquecer de monitorar o novo mercado de maneira contínua, para avaliar os resultados

     

     

    por Felipe Datt

    No comments yet

    Add comment

    PROUDLY POWERED BY WORDPRESS ~ CREATED BY ISHYOBOY.COM